CNCG participa de audiência pública e cobra ações de prevenção ao suicídio entre militares estaduais

Atualizado: Jun 14


O Conselho Nacional de Comandantes-Gerais das Polícias e Corpos de Bombeiros Militares (CNCG) participou de audiência pública, nessa terça-feira (1º), que foi promovida pela Comissão de Segurança Pública da Câmara dos Deputados, onde foram debatidas ações para ampliar os mecanismos de prevenção ao suicídio e doenças mentais entre os policiais e bombeiros militares.


O CNCG foi representado pelo Subcomandante do Colégio Militar do Corpo de Bombeiros em Fortaleza, Tenente-Coronel BM Edir Paixão, pelo gestor executivo do Espaço Viver Bem do policial militar do Estado da Paraíba, Major PM Meireles, e pela diretora administrativa do Espaço Viver Bem da Polícia Militar da Paraíba, Capitã PM Ticiana Soares.


O Tenente-Coronel Edir Souza lembrou que a atenção à saúde mental deve estar presente em todas as fases da vida profissional dos policiais. “A gente observa que estar na reserva ou aposentado também é um fator de risco para o suicídio”, destacou.


Nas discussões estava o Projeto de Lei 4.815/19, que inclui ações para promoção da saúde mental e para prevenção ao suicídio no Programa Nacional de Qualidade de Vida para Profissionais de Segurança Pública (Pró-Vida). O PL já foi aprovado no Senado.


Dados - A mais recente edição do Anuário Brasileiro de Segurança Pública, relativa a 2019, mostrou que os casos de suicídio entre policiais militares e civis (91) superam o número de policiais mortos em serviço (62). O Instituto de Pesquisa, Prevenção e Estudos em Suicídio (Ippes) relembrou uma sondagem de 2014 com 18 mil policiais, na qual 3,6% disseram já ter tentado suicídio e outros 18% admitiram ter pensado em tirar a própria vida. Levantamento mais recente da Federação Nacional dos Policiais Rodoviários Federais identificou estresse ocupacional de médio a elevado em 94% do efetivo, além de 36% com algum tipo de doença mental em variados graus.


Exemplo positivo - Um programa criado na Paraíba, chamado Espaço Viver Bem do Policial Militar, com assistência social e psicológica para os militares, vem dando certo e seus resultados positivos foram destaque na audiência. No estado, com esse programa, desde 2019 que não se registra suicídio de PM.