APREENSÕES PELA PMERJ PROVOCAM IMPACTO DE R$ 1 BILHÃO JUNTO ÀS ORGANIZAÇÕES CRIMINOSAS.



Um prejuízo às facções de traficantes e milicianos de quase R$ 1 bilhão. Esse foi o impacto do volume de armas e drogas apreendidas apenas por policiais militares durante dois anos e cinco meses. Levantamento realizado pela Subsecretaria de Inteligência da Secretaria de Estado de Polícia Militar revela que a Corporação retirou de circulação, entre janeiro de 2019 a maio de 2021, 17.610 armas de fogo e 52,5 toneladas de drogas, apreensões avaliadas R$ 993,2 milhões.

Essa quantia é superior ao orçamento da grande maioria dos municípios brasileiros e se aproxima do volume de recursos do governo federal (R$ 1,2 bilhão) disponibilizado para custear a recuperação da área de segurança do Estado do Rio Janeiro em 2018, incluindo gastos com pessoal, da área administrativa de operacional, insumos e recursos materiais empregados e adquiridos.


Os R$ 993,2 milhões, correspondentes ao valor de armas e drogas retiradas dos criminosos no período do levantamento da SSI da SEPM, representam mais de 50% do valor investido pelo Gabinete de Intervenção Federal (GIF) na compra de equipamentos para os órgãos de segurança – Polícia Militar, Polícia Civil, Bombeiros e Secretaria de Administração Penitenciária.


Das mais de 17,5 mil armas apreendidas nesses dois anos e cinco meses, 912 foram fuzis, quase todos fabricados no exterior e avaliados R$ 23,3 milhões. O valor do total de armas apreendidas atingiu a cifra R$ 86,6 milhões. As 52,5 toneladas de drogas foram avaliadas R$ 908,6 milhões.


Ao comparar os valores estimados das armas e das drogas apreendidas entre 2019 e os primeiros cinco meses de 2021 com os recursos investidos pelo GIF na área de segurança pública do Rio de Janeiro, o Secretário da SEPM, Coronel Rogério Figueredo de Lacerda, lembra a importância do legado da intervenção federal na recuperação da capacidade operacional a das forças de segurança a partir de 2019.


- No caso da Policia Militar, os novos armamentos, coletes, munição, viaturas operacionais, veículos de serviço e tantos outros recursos materiais foram fundamentais viabilizar as estratégias que reduziram de forma expressiva os indicadores criminais – explicou o Secretário Figueredo.


No momento em que se discute a alocação de mais recursos para área de segurança pública, o Coronel Figueredo lembra que o levantamento da SSI da Polícia Militar deixa claro para toda a sociedade que as facções criminosas operam com um volume de recursos absurdo.